Disfunção temporomandibular (DTM)

A articulação temporomandibular (ATM), é referente as duas únicas articulações móveis na cabeça humana, localizadas pouco à frente dos ouvidos, uma em cada lado. Complexas e sustentadas por músculos e ligamentos, elas são responsáveis por mastigação, deglutição, fala e todo o movimento feito com a abertura da boca. O principal indicativo de uma alteração na ATM é o estalido (clique) normalmente acompanhado de dor que se manifesta na cabeça, face, pescoço e região dos olhos e dentes. Entre as faces articulares dos ossos que compõe a ATM (osso temporal e côndilo da mandíbula), existe uma estrutura fibrocartilaginosa chamada disco articular, cujas principais funções são amortecer e amoldar as superfícies ósseas incongruentes da articulação, evitando traumas e desgastes prematuros. Quando o disco articular se desloca de sua posição fisiológica, acontece o estalido (clique), notado nos movimentos mandibulares, tais como: falar, mastigar, cantar, bocejar, etc. O estalido, por si só, já traduz problemas na ATM.
As disfunções da ATM podem ainda resultar em dores de cabeça, que em geral, não são propriamente da cabeça, mas sim nos músculos que a envolvem. Posições posturais viciosas, relacionamento dental inadequado, apertamento e/ou ranger dos dentes, associados ao “stress”, normalmente culminam em quadros crônicos de dores nos músculos da face, cabeça e pescoço.
O estresse e a ansiedade geram a descarga em nosso corpo de substâncias que atuam como estimulantes para tensão muscular, ativação do sistema nervoso e do sistema de secreção (endócrino), o que leva o individuo a ter certas reações, como o apertamento dos dentes que é muito comum nessa condição de estresse e uma das causas mais frequentes de dores musculares na face e na articulação. A proximidade entre a ATM e o ouvido pode ocasionalmente confundir o paciente sobre o local da origem da dor, sugerindo uma dor de ouvido quando na verdade a dor é na ATM.
A principal causa da disfunção da ATM, acredita-se ser a maloclusão (relacionamento inadequado entre os dentes da maxila e mandíbula) associada ao stress, hábitos parafuncionais ou algumas doenças sistêmicas capazes de contribuir, modificar ou perpetuar o seu aparecimento. Contudo, sabe-se que a ordem dos fatores principais e secundários pode alterar-se. O tratamento indicado para as articulações temporomandibulares visa promover uma oclusão dentária que permita um bom relacionamento entre as estruturas da ATM e remover os fatores que possam estar associados ao problema.
A disfunção temporomandibular é uma doença, que depois de instalada, é quase sempre progressiva. O que não se consegue determinar com exatidão é a sua velocidade de progressão e as suas consequências, assim como o prognóstico do tratamento. O ideal é o tratamento precoce, melhorando as soluções e os resultados.

A ATM é a engrenagem e articulação deslizante que permite que o maxilar inferior (mandíbula) se mova e funcione. É a articulação mais constantemente utilizada em seu corpo.

a) Disco
b) Fossa mandibular
c) Ligamento
d) Côndilo
e) Músculo
f) Área de detalhe

Os sintomas mais comuns são:

  • Dores na face e nos maxilares;
  • Dificuldade para mastigar ou falar;
  • Ruídos ou estalos ao abrir e fechar a boca;
  • Travamento da abertura ou fechar da boca, pressão atrás dos olhos;
  • Vertigem, dor ou zumbidos nos ouvidos;
  • Sentir o ouvido tapado;
  • Dor de cabeça/enxaquecas (tipo tensão);
  • Inchaço na lateral do rosto;
  • Problemas para dormir;
  • Dor constante com períodos de piora no decorrer do dia;
  • Desvio da mandíbula para um lado;
  • Abertura limitada ou inabilidade para abrir a boca confortavelmente;
  • Surdez  momentânea;
  • Perturbações visuais

Mas o que é ATM ou DTM?

ATM significa Articulação temporo-mandibular, e DTM significa disfunção temporo-mandibular.  Existem duas ATMs: uma do lado direito e outra do lado esquerdo, em frente a cada ouvido. Cada vez que se fala, mastiga ou deglute, a ATM se movimenta. Observe o movimento: ao abrir a boca, você está usando suas articulações. Ponha seus dedos à frente do ouvido, abra e feche a boca, ou fale: você sentirá o movimento da ATM. Muitas pessoas sofrem de dores de cabeça, de ouvido, músculos da face, pescoço e costas. Estas pessoas podem estar sofrendo de desordem temporo-mandibular ou dor oro facial, pois os músculos e as articulações não funcionam em harmonia, resultando em dores e espasmos. O ato de falar, mastigar, deglutir exige o trabalho de toda a articulação temporomandibular, que envolve músculos, tendões, ligamentos e cartilagens. Com o excesso de trabalho, ela pode sofrer traumas, apresentar processos inflamatórios, infecciosos, autoimunes e malformações. A disfunção temporomandibular atinge com mais frequência mulheres de 20 a 50 anos. Pode ser muscular, articular, mista ou reumatológica. A muscular é a versão mais clássica da ATM. Caracteriza-se por um excesso de tensão na musculatura. Na articular, são malformações e desgastes que comprometem a articulação. Os casos de ATM mista, segunda forma mais comum do problema, envolve tanto o músculo como a articulação. Já a reumatológica, é rara, causada por uma degeneração do disco e da articulação temporomandibular. O disco articular é responsável por diminuir o atrito do movimento de abrir e fechar a boca.
O disco é um tecido similar ao menisco do joelho, posicionado junto à cabeça da mandíbula (côndilo mandibular) e age como um amortecedor, entre o crânio e o côndilo. Quando intactas, são as únicas articulações no corpo humano que trabalham juntas (bilateralmente) como uma unidade. Estas articulações nos permitem executar funções como abrir e fechar a boca, mastigar, deglutir, respirar, falar e etc. Os problemas que podem acontecer com a articulação temporomandibular são artrites, traumas, tumores, deslocamentos do disco, perfurações, travamento mandibular e queixo caído. Outro componente frequente destas Disfunções/Desordens articulares são os músculos da mastigação, diagnosticado como Disfunção Dolorosa Miofacial. Você pode já ter sentido problemas articulares, musculares ou ambos.

Diagnóstico

O diagnóstico de DTM está baseado em vários sintomas, testando a amplitude dos movimentos mandibulares, auscultando os ruídos articulares, examinando o engrenamento dos dentes, apalpando as articulações como também os músculos da face e cabeça. Geralmente o cirurgião oral questiona o paciente a respeito de informações que causam a dor e outros sintomas, possíveis traumas, hábitos orais, prévios tratamentos médicos e dentários.

Avaliando a necessidade de tratamento

Quando os sintomas das disfunções das ATMs aparecem, seu profissional oral deve ser consultado. Quando você chegar ao consultório, esteja preparado para completar um longo histórico médico incluindo informações referentes ao seu estilo de vida e ao nível de stress que experimenta em seu dia a dia. Seu profissional examinará fisicamente as áreas de sua cabeça e de seu pescoço incluindo as ATMs. Uma variedade de testes podem ser utilizados para confirmar ou eliminar um diagnóstico de disfunção das ATMs. Estes testes podem incluir raios-x padrão ou estudos de imagens mais sofisticados como ressonâncias magnéticas para produzir imagens do tecido mole e/ou tomografia computadorizada ou escaneamento do osso. Testes de laboratório para confirmar a presença ou ausência de artrites podem ser necessários para alguns pacientes. Seus dentes também serão examinados e modelos e moldes poderão ser feitos para ajudar o profissional determinar se sua mordida está contribuindo para o seu problema nas ATMs. Se necessário, será sugerido encaminhamento a outros dentistas e especialistas médicos, como ortodontistas, dentistas especialistas em restauração dentária, fisioterapeutas, neurologistas, reumatologistas ou psicólogos.

Função da ATM

Articulação TemporoMandibular – Posição fechada normal. Osso do maxilar é separado do crânio por um disco flexível que age como um amortecedor quando você mastiga, fala e engole

Articulação TemporoMandibular – Posição aberta normal. Disco permanece no lugar quando o maxilar está em uso.

Articulação TemporoMandibular – Posição anormal. Disco é puxado para frente quando o maxilar está em uso, obrigando as estruturas ósseas a atritarem entre si.

Placas relaxantes ou aparelhos noturnos são geralmente usados em seus dentes para o tratamento das disfunções das ATMs.

Quando você discutir sua estória com seu profissional, não deixe de comunicar detalhes específicos referentes ao seguinte:

  • Origem do problema;
  • Duração, caráter e localização de qualquer dor que esteja sentindo;
  • Consciência de que seu maxilar esteja cerrado ou triturando durante a noite e /ou dia;
  • Se acorda de manhã com o maxilar rígido;
  • Sintomas que se intensificam quando está sob estado de maior stress;
  • Histórico de artrite em outra parte do corpo;
  • Histórico familiar de algum problema similar;
  • Histórico de traumas no maxilar, na cabeça ou no pescoço;
  • Ruídos nas articulações (como cliques, estalos ou chiados);
  • Limitações nos movimentos do maxilar inferior;
  • Qualquer desconforto relacionado;
  • Tratamentos atuais ou anteriores;

Se você tem DTM, pode ter gasto anos de sua vida sendo encaminhado de um médico a outro em busca de alívio. Esses profissionais podem ter mencionado loucura, necessidade de melhorar sua ansiedade ou que você não tem dor. E, depois que você gastou milhares de reais em tratamentos, ou abandonou alegando não existir mais nada a ser feito por você. Se isto lhe soa familiar, você não está só e nem louco, e principalmente não deve culpar-se por não ter melhorado. Ainda há uma luz no final do túnel.

Dúvidas

Por que o problema de ATM pode causar dor de cabeça?

As dores de cabeça provenientes das disfunções da ATM, em geral, não são propriamente de cabeça: são dores nos músculos que envolvem a cabeça. Posições posturais viciosas, relacionamento dental inadequado, apertamento e/ou ranger de dentes, associados ao “stress”, normalmente culminam em quadros crônicos de dores nos músculos da face, da cabeça e do pescoço.

Por que o problema de ATM pode causar dor de ouvido?

A proximidade entre a ATM e o ouvido pode ocasionalmente confundir o paciente sobre o local de origem da dor. Na realidade, a dor de ouvido é diferente da dor de ATM. Como diagnóstico diferencial, as disfunções da ATM não manifestam febre, não eliminam secreção pelos ouvidos e não são acompanhadas por quadros infecciosos das vias aéreas superiores.

Qual é a principal característica de um paciente que tem problemas de ATM?

O principal indicativo de uma alteração na ATM é o estalido (clique), normalmente acompanhado de dor que se manifesta na cabeça, face, pescoço, olhos e dentes. A ausência de dor não é sinal de normalidade. O estalido (clique), por si só, já traduz problemas na ATM.

Existe relação entre dentes e ATM?

Sim. O “encaixe dental” (oclusão) é responsável pela posição do côndilo (cabeça da mandíbula) dentro da articulação. Ocluir os dentes mais para frente, para trás ou para os lados traz conseqüências para as ATM. O ideal é que a oclusão tenha um relacionamento adequado, para manter côndilo e disco articular harmônicos e bem posicionado entre si, a fim de que a articulação seja saudável.

Como os músculos da mastigação e as articulações funcionam?

As estruturas que possibilitam a abertura e fechamento da boca são muito especializadas e trabalham juntas quando mastigamos, falamos e engolimos. Essa estrutura inclui músculos, ligamentos e ossos. A ATM é a articulação mais complexa do corpo. Os discos articulares permitem vários movimentos da boca como aberturas em diferentes graus e deslizamento. Muitos são os músculos que permitem abrirmos e fecharmos a boca, controlando os movimentos para frente e para trás, para os lados e fechamento. A articulação também está envolvida nesses movimentos.